quarta-feira, 31 de agosto de 2016

ARTE CONTEPORÂNEA - texto e atividades 9° ANO


Beatriz Milhazes e a obra mais cara do mundo

Você sabia que a artista plástica da atualidade mais valorizada é uma brasileira. Trata-se de Beatriz Milhazes, que no ano de 2012 conseguiu que sua tela “Meu Limão” fosse arrematada por 2,1 milhões de dólares (mais de 4 milhões de reais).
Meu Limão – obra de Beatriz Milhazes que a colocou novamente no posto de artista brasileira viva com obra mais cara vendida em leilão
Milhazes já havia conquistado recorde em um leilão em 2008 com a pintura “O Mágico”, vendida por 1,049 milhão de dólares, cerca de 2,17 milhões de reais.

O Mágico, de Beatriz Milhazes
A artista iniciou sua carreira nas artes em 1981, ano em que ingressou na Escola de Artes Visuais do Parque Lage. Na década, Beatriz Milhazes fez parte das exposições que caracterizavam a Geração 80, grupo de artistas que buscavam retomar a pintura em contraposição à vertente conceitual dos anos 1970, com pesquisa de novas técnicas e materiais. Mas só a partir de 1990 que Milhazes passa a destacar-se em mostras internacionais nos Estados Unidos e Europa e integra acervos de museus como o MoMa, Guggenheim e Metropolitan em Nova York.

Mais uma das obras de Milhazes

O lixo vira luxo com Vik Muniz

Já Vik Muniz (nascido no ano de 1961) é um dos grandes nomes da arte brasileira graças a materiais geralmente descartados. Muniz usa lixo e componentes como chocolate e açúcar em suas obras. Ele é tão famoso internacionalmente que no ano de 2010 ganhou um vídeo documentário sobre suas obras intitulado “Lixo Extraordinário”. “Não é bem o material ou o tema, o inusitado é como essas coisas se relacionam”, ressaltou o artista.
Retrato de Monalisa em geleia e pasta de amedoim
O artista trabalha com lixo e materiais descartáveis

Pictures of People, de 2009, criou o logo da Louis Vuitton com pessoas e virou estampa de um lenço comemorativo

Cor e vida nas obras de Romero Britto

            Já João Gullart, de nome artístico Romero Britto, iniciou sua carreira aos 18 anos, embora desde criança já demonstrasse talento. Suas obras são conhecidas pela profusão de cores e influência de movimentos como a pop art e até as histórias em quadrinhos. Pernambucano radicado em Miami, em 2005 Britto foi nomeado Embaixador das Artes do Estado da Flórida. O artista também já expôs suas obras em um dos museus mais famosos do mundo, o Louvre, em Paris.

A New Day, de Romero Britto
O Abraço, mais uma obra de Romero Britto

Cores e mais cores em Abaporu
Atividades
1)    Quais dos artistas apresentados no texto você já estudou na disciplina de arte?
2)    Qual o nome da tela contemporânea mais cara citada aqui no texto?
3)    Quais as características da obra de Romero Brito?
4)    Qual o verdadeiro nome de Romero  Brito?
5)    Qual cargo importante Romero Brito já teve nos E.U.A?
6)    Quem é Vik Muniz?
7)    Quais são os materiais que Vik Muniz utiliza em suas obras de arte?
8)    Faça a releitura do quadro Abaporu de Romero Brito?
Escolha uma das   obras de Beatriz Milhazes e faça a releitura.

terça-feira, 21 de outubro de 2014

ATIVIDADE e texto Impressionismo

SÉCULO XIX NA EUROPA: O IMPRESSIONISMO
                O Impressionismo foi um movimento que revolucionou a pintura e deu início às grandes tendências da arte do século XX. Os impressionistas buscavam observar os diversos efeitos de a luz solar sobre os objetos ao longo do dia para registrar na tela as variações provocadas nas cores da natureza. Eles não chegaram a formar uma escola ou sistema; apenas compartilharam algumas técnicas e procedimentos.

Os grandes pintores impressionistas
                O primeiro contato do público com os impressionistas foi em uma exposição coletiva realizada em Paris em 1874. O público e os críticos, porém, reagiram mal ao movimento, pois ainda se mantinham fiéis à pintura tradicional. Só na década seguinte os impressionistas começaram a ser compreendidos.

Monet: as cores mutáveis da natureza
O francês Claude Monet (1840 – 1926) apreciava a pintura ao ar livre, que lhe permitia reproduzir os efeitos da luz solar diretamente da natureza. O maior exemplo desse interesse está na série que teve como tema a fachada da catedral de Rouen. Ele a pintou em vários momentos do dia, registrando as diferentes impressões que ela lhe causava.

Renoir: alegria e otimismo
Dos impressionistas, o francês Pierre Auguste Renoir (1841 – 1919) foi o que ganhou maior popularidade, chegando a ter o reconhecimento da critica ainda em vida. Seus quadros expressam otimismo, alegria e a intensa movimentação da vida parisiense das últimas décadas do século XIX.
                Em 1869, Renoir envolveu-se em uma curiosa coincidência. Ele e Monet pintaram a mesma cena: um grupo divertindo-se próximo a um rio. O fato, além de dar fama às telas, mostrou bem o empenho de ambos os artistas em explorar as superfícies que refletem luz.

Degas: a luz dos ambientes fechados
O francês Edgar Degas (1834 – 1917) participou do Impressionismo, mas desenvolveu um estilo diferente: além da cor, a grande paixão dos impressionistas, ele valorizava o desenho. Pintou poucas paisagens e cenas ao ar livre: em seus quadros predominam os ambientes interiores, onde a luz é artificial. Seu grande interesse era flagrar um momento da vida das pessoas, aprender um instante do movimento de um corpo ou da expressão de um rosto.
                A tentativa de flagrar instantes revela a influência da fotografia sobre Degas. É inegável a semelhança de alguns de seus quadros com fotos instantâneas: as pessoas são pintadas como se estivessem sido registradas em um momento da ação que realizam, despreocupadas com a presença do artista.

A evolução do Impressionismo:
O Pontilhismo
                Em 1886 ocorreu na França a última exposição coletiva dos impressionistas. Uma nova tendência artística teria lugar com dois de seus participantes – Georges Seurat e Paul Signac -, que aprofundaram as pesquisas impressionistas quanto à percepção óptica, isto é, o modo como os objetos são vistos.
                Georges Seurat (1859 – 1891), em especial, reduziu as pinceladas a um sistema de pontos uniformes que, no conjunto, permitem perceber uma cena. Essa técnica foi chamada de pontilhismo: as figuras são representadas com fragmentos ou pontos, cabendo ao observador percebê-las como um todo plenamente organizado.
                Paul Signac foi outro grande pintor que dominou a técnica pontilhista. Ele gostava de observar o movimento o movimento da água no mar e nos rios, e procurou registrá-lo em muitas de suas obras.

                PROCEDIMENTOS GERAIS DOS IMPRESSIONISTAS
·         A pintura deve registrar as tonalidades que os objetos adquirem ao refletir a luz solar num determinado momento, pois as cores da natureza se modificam constantemente dependendo da incidência da luz do Sol.
·         As figuras não devem ter contornos nítidos, pois a linha é só uma forma encontrada pelo ser humano para representar, por meio de imagens, a natureza, os objetos, os seres em geral, etc.
·         As sombras devem ser luminosas e coloridas, tal como é a impressão visual que nos causam, e não escuras ou pretas, como os pintores as representavam até então.
·         As cores e tonalidades não devem ser obtidas pela mistura das tintas na paleta. Devem ser puras e utilizadas na tela em pequenas pinceladas. É o observador que, ao apreciar a pintura, combina as várias cores, obtendo o resultado final. A mistura das cores passa a ser, portanto, resultado do olhar humano, e não da técnica do pintor, pois ele não as mistura em sua paleta.

A PASSAGEM DA LUZ EM ROUEN
                A catedral de Rouen, importante cidade da França, começou a ser erguida no final do século XII e é uma das mais belas construções góticas francesas. Observe, nas três telas ao lado, a variação das cores e da aparência da fachada da catedral. A causa dessa variação é a mudança d luz solar: Monet fez as pinturas em diferentes momentos do dia, comprovando sua ideia de que as cores da natureza e dos objetos expostos ao ar livre se modificam constantemente, dependendo da incidência da luz do Sol.

A CONSTRUÇÃO COM PONTOS
                Observe no quadro (Tarde de domingo na Ilha de Grande Jatte) uma forma de lazer comum até hoje: passar algumas horas da tarde de domingo em um agradável parque. Os trajes e os acessórios masculinos e femininos são típicos do século XIX.

                Note como esta obra foi construída com pequenos pontos. O que mais chama a atenção é como o artista conseguiu criar áreas  de luz e sombra: os pontinhos mais escuros nos sugerem as sombras causadas pelas copas das árvores e pelas sombrinhas das mulheres.

QUESTIONÁRIO: O IMPRESSIONISMO
11)      Marque V ou F (verdadeiro ou falso) e relacione com a alternativa correta:
“O Impressionismo foi um movimento que revolucionou a pintura e deu início as grandes tendências da arte do século XX”.
                                                        I.            Os Impressionistas buscavam observar o efeito da sombra sob os objetos;
                                                      II.            O Impressionismo teve início no século 18;
                                                    III.            O efeito da luz nas cores é o objeto de estudo e foco de trabalho dos impressionistas;
                                                    IV.            Os impressionistas não chegaram a formar uma escola ou sistema, mas revolucionaram a pintura à partir do século 20.
a)      (  ) F – F – V – V;
b)      (  ) F – V – F – V;
c)       (  ) V – V – F – F;
d)      (  ) F – V – F – V;
e)      (  ) V – F – V – F;

22)      Dentre os grandes pintores impressionistas podemos destacar:
a)      (  ) Monet, Manet e Renoir;
b)      (  ) Degas, Renoir e Manet;
c)       (  ) Monet, Renoir e Degas;
d)      (  ) Manet, Monet e Degas;
e)      (  ) Nenhuma das alternativas anteriores está correta.

33)      Marque verdadeiro ou falso para as frases sobre o pintor Renoir.
                                I.            A obra de Renoir foi influenciada pelo sensualismo e elegância do Rococó;
                              II.            Pierre Auguste Renoir gostava de pintar em estúdio fechado;
                            III.            Renoir foi o pintor menos popular dentre os impressionistas;
                            IV.            Renoir envolveu-se em uma curiosa coincidência: Ele e Monet pintaram a mesma cena;
a)      (  ) F – V – F – F;
b)      (  ) V – F – F – V;
c)       (  ) F – V – F – V;
d)      (  ) V – V – V – F;
e)      (  ) F – F – V – F;

44)      Qual foi a cena coincidente produzida por Renoir e Monet?
a)      (  ) Um piquenique no parque;
b)      (  ) Um passeio no zoológico;
c)       (  ) Um almoço na relva;
d)      (  ) Um dia no posto de saúde;
e)      (  ) Um grupo divertindo-se próximo a um rio.

55)      Sobre a obra “Fachada da Catedral de Rouen” podemos afirmar que (...).
a)      (  ) Comprova que a luz não provoca nenhum efeito sobre a obra;
b)      (  ) O artista a pintou em vários momentos do dia, registrando as diferentes impressões que lhe causava;
c)       (  ) Foi um quadro produzido em estúdio à partir de uma fotografia;
d)      (  ) Não foi pintada por Monet;
e)      (  ) Não faz parte do movimento impressionista.

66)      O Pontilhismo é a evolução do Impressionismo e sobre esta nova forma de pintar podemos afirmar que: ( Marque V ou F verdadeiro ou falso)
                                I.            Georges Seurat e Paul Signac aprofundaram as pesquisas impressionistas quanto à percepção óptica criando o Pontilhismo;
                              II.            Georges Seurat, em especial reduziu as pinceladas a um sistema de manchas uniformes que permitem perceber a cena;
                            III.            No Pontilhismo as figuras são representadas como fragmentos ou pontos;
                            IV.            É da pintura pontilhista que surge a ideia da impressão da imagem por meio da máquina.
a)      (  ) V – F – F – F;
b)      (  ) F – F – F – F;
c)       (  ) F – V – F – V ;
d)      (  ) V – F – V – V;
e)      (  ) F – F – V – F;

77)      Sobre o pintor Degas, marque a alternativa correta.
a)      (  ) Era francês e não participou do impressionismo pois desenvolveu um estilo diferente;
b)      (  ) Era um artista que relutava para não ceder a influência da fotografia;
c)       (  ) Em seus quadros predominam os ambientes interiores, onde a luz é artificial;
d)      (  ) Não valoriza o desenho.

88)      Em se tratando de construção com pontos, o que podemos marcar como alternativa?
a)      (  ) Nesse tipo de trabalho o que mais chama atenção é como o artista conseguiu criar áreas de luz e sombra;
b)      (  ) No quadro “Tarde de domingo na Ilha de Grande Jatte” os trajes são típicos do século 20.
c)       (  ) Os pontos são colocados pelo artista de forma aleatória;
d)      (  ) As obras são pintadas com pontos muito grandes;
e)      (  ) Monet era pintor pontilhista também.

99)      Sobre os procedimentos gerais dos impressionistas marque Verdadeiro ou Falso.
                                I.            As cores e tonalidades são obtidas pela mistura das tintas;
                              II.            A pintura deve registrar as tonalidades que os objetos adquirem ao refletir a luz solar num determinado momento;
                            III.            As sombras devem ser escuras ou pretas como sempre foi representada pelos pintores até então;
                            IV.            As figuras não devem ter contornos nítidos, pois a linha é só uma forma encontrada pelo ser humano para representar.
a)      (  ) F – F – F – V;
b)      (  ) V – V – F – F;
c)       (  ) V – F – V – F;
d)      (  ) F – V – F – V;
e)      (  ) F – V – F – F;

110)   Qual é causa da variação de cor nos quadros impressionistas?
aA)      (  ) O jogo de luz e sombra;
bB)      (  ) Mudança da luz solar;
C)       (  ) O contorno das formas;
dD)      (  ) O resultado do olhar humano;
eE)      (  ) Os pequenos pontos impressos na pintura.

GABARITO

1 A – 2C – 3B – 4E - 5B – 6D – 7C – 8 A – 9D – 10B

segunda-feira, 31 de março de 2014

AIVIDADE E TEXTO TEMA: ARTE CONTEMPORÂNEA

Arte Contemporânea

A arte contemporânea é construída não mais necessariamente com o novo e o original, como ocorria no Modernismo e nos movimentos vanguardistas. Ela se caracteriza principalmente pela liberdade de atuação do artista, que não tem mais compromissos institucionais que o limitem, portanto pode exercer seu trabalho sem se preocupar em imprimir nas suas obras um determinado cunho religioso ou político.
Esta era da história da arte  nasceu em meados do século XX e se estende até a atualidade, insinuando-se logo depois da Segunda Guerra Mundial. Este período traz consigo novos hábitos, diferentes concepções, a industrialização em massa, que imediatamente exerce profunda influência na pintura, nos movimentos literários, no universo ‘fashion’, na esfera cinematográfica, e nas demais vertentes artísticas. Esta tendência cultural com certeza emerge das vertiginosas transformações sociais ocorridas neste momento.

Os artistas passam a questionar a própria linguagem artística, a imagem em si, a qual subitamente dominou o dia-a-dia do mundo contemporâneo. Em uma atitude metalingüística, o criador se volta para a crítica de sua mesma obra e do material de que se vale para concebê-la, o arsenal imagético ao seu alcance.

Nos anos 60 a matéria gerada pelos novos artistas revela um caráter espacial, em plena era da viagem do Homem ao espaço, ao mesmo tempo em que abusa do vinil. Nos 70 a arte se diversifica, vários conceitos coexistem, entre eles a Op Art, que opta por uma arte geométrica; a Pop Art, inspirada nos ídolos desta época, na natureza celebrativa desta década – um de seus principais nomes é o do imortal Andy Warhol; o Expressionismo Abstrato; a Arte Conceitual; o Minimalismo; a Body Art; a Internet Street e a Art Street, a arte que se desenvolve nas ruas, influenciada pelo grafit e pelo movimento hip-hop. É na esteira das intensas transformações vigentes neste período que a arte contemporânea se consolida.

Ela realiza um mix de vários estilos, diversas escolas e técnicas. Não há uma mera contraposição entre a arte figurativa e a abstrata, pois dentro de cada uma destas categorias há inúmeras variantes. Enquanto alguns quadros se revelam rigidamente figurativos, outros a muito custo expressam as características do corpo de um homem, como a Marilyn Monroe concebida por Willem de Kooning, em 1954. No seio das obras abstratas também se encontram diferentes concepções, dos traços ativos de Jackson Pollok à geometrização das criações de Mondrian. Outra vertente artística opta pelo caos, como a associação aleatória de jornais, selos e outros materiais na obra Imagem como um centro luminoso, produzida por Kurt Schwitters, em 1919.

Os artistas nunca tiveram tanta liberdade criadora, tão variados recursos materiais em suas mãos. As possibilidades e os caminhos são múltiplos, as inquietações mais profundas, o que permite à Arte Contemporânea ampliar seu espectro de atuação, pois ela não trabalha apenas com objetos concretos, mas principalmente com conceitos e atitudes. Refletir sobre a arte é muito mais importante que a própria arte em si, que agora já não é o objetivo final, mas sim um instrumento para que se possa meditar sobre os novos conteúdos impressos no cotidiano pelas velozes transformações vivenciadas no mundo atual.

Fontes
http://www.coladaweb.com/artes/artecom.htm


ARTE CONTEMPORÂNEA RESPONDA
11      Qual a principal característica da Arte Contemporânea?
22     Quando nasceu esta era da história da arte?
33      Qual o comportamento dos artistas em relação a sua própria linguagem artística?
44     Explique como era a arte contemporânea nos anos :
a)      60
b)      70
55     Escreva o nome dos artistas contemporâneos que aparecem no texto.
66     O que permite a Arte Contemporânea ampliar seu espectro de atuação?
77     Como era o trabalho de Kurt Schwitters?
88     Os artistas nunca tiveram tanta liberdade para criar como no período de arte contemporânea. Por quê?
99     Qual o principal trabalho do artista contemporâneo ao desenvolver suas obras de arte? 

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

CRIATIVIDADE NA PRODUÇÃO DE TINTA PARA TRABALHAR NAS ESCOLAS

  
Material:
1 litro de água; 1 xícara de chá de farinha de trigo ou amido de milho;
3 colheres de sopa de vinagre;
Anilina ou guache (diversas cores).

Preparo:
1 – Misture bem a farinha e a água e leve ao fogo baixo, mexendo sempre, até conseguir um mingau uniforme, não muito grosso.
2 – Deixe esfriar e junte o vinagre.
3 – Divida a massa em vidros, tipo de maionese, e acrescente a anilina ou o guache (uma cor em cada vidro).

4 – Conserva-se bem por aproximadamente 1 mês se mantido bem fechado e guardados na geladeira